navegue nos blocos da capa

Cinema

Crítica

Sátira aos filmes de super-heróis, Lego Batman tem bela mensagem

17
FEV
2017
| 10h09
10h09
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições

ESPECIAL / Willian Bongiollo

Não é de hoje que se fazem sátiras com filmes de super-heróis. Kick-ass é o mais famoso, e recentemente Deadpool também recorreu à sátira para contar sua história. Porém, em Lego Batman esse estilo de metalinguagem vai além dos anteriores e torna-se eficaz tanto para os já iniciados em histórias de super-heróis quanto para os que apenas levarão seus filhos ao cinema.

A animação segue o arrogante Batman que, sem querer, adota uma criança órfã. Tendo que lidar com o crime, Coringa e seu novo filho, Batman acaba aprendendo várias lições sobre a vida, sobre o que é ser um super-herói e sobre família. Lego Batman é divertido para toda a família, e suas piadas podem ser divididas em duas partes: infantis e metalinguísticas.

A parte infantil leva em conta seu público-alvo e coloca várias cenas de personagens cantando, tirando as calças, e etc. Um humor que funciona para o público jovem. Já a metalinguagem vai pegar pessoas que têm um certo conhecimento sobre o personagem principal ou seus derivados. Temos piadas com Batman vs Superman, O Cavaleiro das Trevas, Adam West (se você sabe quem é ele vai amar esse longa), e sobrou até para o recente Esquadrão Suicida.

Mas, o que mais chama a atenção em Lego Batman é o arco dramático de seu personagem título. O filme tem várias sequências silenciosas contrastando com o barulho da cidade de Gotham. Se em um momento vemos o Batman ser ovacionado pelos cidadãos que o amam, em outro instante o vemos dentro da mansão Wayne vazia.

O eco de sua voz dentro da casa é um retrato desolado de sua personalidade egoísta, que afasta as pessoas ao seu redor. Outro ponto crucial é sua relação com Robin, gerando um paralelo eficaz com a própria infância do Bruce para com seus pais e Alfred, fazendo do menino prodígio, com roupas super coloridas, uma forma de Bruce/Batman manter contato com uma alegria que ele mesmo reprime dentro de si.

Contudo, as cenas de ação, infelizmente, não saem do lugar comum em longas do gênero. Temos aqui muitas explosões, planos fechados e uma enorme falta de noção do espaço. Ainda mais que os bonecos e veículos são feitos de Lego, facilmente destruídos e peças voando para todos os lados. O uso fraco do 3D serve para deixar tudo mais confuso e dar dor de cabeça nos espectadores.

Por fim, Lego Batman é uma sátira aos filmes de super-heróis ao mesmo tempo que traz uma linda mensagem: você não se torna herói pela quantidade de vitórias que acumula, e sim pelas pessoas com quem compartilha esses momentos.

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Criciúma lança uniforme para a Série BPalestra de Celso Bandeira encerra 18ª Conferência da AdvocaciaPolícia elucida homicídio de jovem em frente a casa noturnaO carro encontrou o caminho errado no CentroCadeiras são reformadas para atletas do Handebol sobre rodasMuseu de Zoologia da Unesc lança cartilha para professores