navegue nos blocos da capa

Cinema

Crítica

Em ritmo de fuga conseguiu tornar-se um dos melhores filmes do ano

14
DEZ
2017
| 19h05
19h05
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições

Especial - Felipe Rodrigues

As obras de Edgar Wright sempre chamaram muita atenção por seu estilo de direção. O diretor busca apresentar personagens muito caricatos e excêntricos, e Baby Driver não foi exceção no filme Em ritmo de fuga. A premissa é bem simples: Baby (Ansel Elgort) é um bom garoto envolvido com uma quadrilha de assaltantes. Ele é o piloto de fuga - extremamente habilidoso por sinal. Mas se você estava achando que este é um típico e clichê filme de assalto se enganou. O protagonista pilota como ninguém, mas para isso precisa de música.

Ele é um piloto excepcional, mas tudo depende da música que está ouvindo. Isso já diferencia o longa de muitos outros do gênero. Com o perdão do trocadilho, o filme se destacou por sua excelente direção: o roteiro é algo bem simples como já dito, mas a sincronia da música com a ação, seja fora ou dentro do carro, misturadas a ótima atuação do elenco inteiro tornaram o filme especial.

O inicio de Em ritmo de fuga é impressionante, e mostra as habilidades do garoto pilotando enquanto ouve a música. Quando o som se torna mais calmo, o carro acompanha o motorista. Isso acaba gerando manobras inusitadas, muitas vezes nos deixando com o coração na mão, pensando que o carro vai bater e a história vai acabar ali mesmo.

Temos também a evolução dos personagens, principalmente do protagonista. Conforme a história se desernrola, descobrimos por que o garoto está sempre ouvindo músicas, apesar de ser tão calado. O filme não é um drama, mas sim um equilíbrio perfeito entre história e ação. As cenas de perseguições são de brilhar os olhos e a trilha sonora de acelerar o coração, mas os personagens e o roteiro também não ficam para trás.

É preciso atentar ainda para dois outros pontos muito importantes e que fizeram muita diferença ao decorrer de sua história. O primeiro é imprevisibilidade, seja no próprio desenrolar dos atos, ou até mesmo nas cenasem que é impossível decifrar como uma perseguição acabará. O segundo ponto também agregou muito. Pode parecer simples, mas o fato de ser uma história fechada é muito bom para esse filme.

Estamos na era da moda de filmes que juntam personagens de outros longas no mesmo local. Não há problema quando isso é bem feito, mas para este caso específico, foi muito importante terem decidido que o filme era o começo e o fim de uma história.

Com a mescla de uma trama simples e divertida, somando cenas ação impressionantes, Em ritmo de fuga se tornou um dos melhores do ano e um exemplo a ser seguido.

Leia mais sobre: cinema, crítica
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Balneário Rincão terá primeiro berçárioRock Laguna acontece nesta sexta-feira com maratona de onze horas de músicaPolícia Civil prende autores de furtos em empresas da regiãoObra do Canal Auxiliar avança em direção à Santa BárbaraTrês pessoas ficam feridas em acidente na SC-485Acidente deixa trânsito congestionado na BR-101