navegue nos blocos da capa

Cinema

Crítica

A Múmia tem trama pouco convincente

16
JUN
2017
| 09h02
09h02
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições

Especial: Willian Bongiolo

A nova moda de Hollywood é criar franquias com universo expandido. Marvel com os super heróis, Warner com os heróis da DC e Harry Potter, e agora a Universal começou seu Dark Universe com o novo A Múmia, um universo que contará com a presença de todos os monstros da produtora, dentre eles: Múmia, Frankenstein, Drácula e outros. Infelizmente esse início foi lamentável.

A Múmia nada mais é do que uma colcha de retalhos emendada por uma trama pouco convincente e muitas vezes soando absurda demais. Aqui vemos pouco do Egito antigo por uma longa explicação logo no começo do longa, quando o Dr. Henry Jekyell conta a história de Ahmanet antes desta ser mumificada viva.

Essa introdução já demonstra a total falta de capacidade do projeto: uma introdução ordinária feita por voz em off que já conta toda a história pregressa e nos dá indícios de por onde o filme vai caminhar. Mas não é só isso. Em vários momentos do filme o Dr. Henry Jekyell (personagem que ligará todo o universo) dá demasiadas explicações, enquanto outro personagem apenas ouve com atenção.

Outra incoerência de A Múmia é que não souberam quando e onde gastar dinheiro. Se por um lado a computação gráfica funciona bem na maior parte do tempo com os ressuscitados pela Múmia e com a tempestade de areia, por outro a computação gráfica usada para compor a personagem título é mal acabada. Conseguimos notar muita diferença quando ela muda de forma e fica com apenas a maquiagem.

A Múmia se prejudica mais ainda quando tenta fazer ligações com outros filmes que estão por vir. Se a ideia inicial de um universo expandido era dar grandes possibilidades criativas para o uso de grandes personagens juntos, o que ela vem se tornando nos últimos anos é justamente ao contrário disso.

Tivemos um Doutor Estranho que poderia ser muito mais psicodélico, mas foi podado em prol do universo expandido, e isso também aconteceu com Mulher Maravilha que teve cenas desnecessárias no começo apenas para fazer sentido no universo dos filmes da DC. Em nenhum desses universos poderia sair algo como Logan, mas Hollywood continuará produzindo até quando a fonte secar.

Leia mais sobre: cinema, crítica
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Nova Veneza ganha nova opção de hospedagemNo aniversário de 10 anos, Sesi Academia oferece descontos e vantagensUm complexo terapêutico que nasce de um leilãoHSJosé ganha nova PraçaCurso traz ensinamentos teóricos e vivências dos chakras Carro incendeia após colisão em muro