InternetData CenterAssinante

Inquietações de bastidores

A política (ou os políticos) tem capacidade de surpreender sempre
Por João Paulo Messer Em 29/11/2020 às 20:12

Está difícil entender a “nova política”. As práticas sob este discurso, logo – menos de dois anos – levaram o governador eleito de Santa Catarina, Carlos Moisés ao “paredão” do impeachment. Foi salvo exatamente por quem eu não sei. Mas de volta ao cargo, reassumiu e anunciou como seu braço direito justo aquele que era o até então braço direito de Júlio Garcia. Sim, Garcia que era tido por ele, Moises, seu algoz. Daniela Reihner, sua vice e companheira de discurso da nova política parece ter virado “persona non grata”.

Jair Bolsonaro puxou a onda da nova política sendo chefe de uma família de políticos e com quase três décadas no poder. Ele também andou na mira dos “impeachmeiros”, mas tratou de se comunicar melhor com o temido “centrão”, apaziguou os mais exaltados. Mas Bolsonaro hoje também se distanciou do vice a ponto das agendas de Hamilton Mourão serem vigiadas de perto, a ponto de Criciúma ter sido vítima desta briguinha de vaidades. Mourão viria à cidade semana passada, não veio.

OS FATOS

Um – Absolvido da ameaça do impeachment, o governador Carlos Moises convidou para ser o seu chefe da Casa Civil, o até então braço direito do deputado Júlio Garcia, Eron Giordani.

Dois – Dois “pacatos” cidadãos criciumenses – um dono de restaurantes dos altos da cidade e um paulista radicado aqui como agente oficial do mundo das publicações legais – testemunharam, por caso, semana passada em Brasília, o que pode ter sido causa para o cancelamento da agenda do vice-presidente da república Hamilton Mourão à Criciúma. Ficou-lhes a nítida impressão de que a visita não tinha a simpatia do presidente.

SOBRE OS FATOS

Episódios como os acima relatados são mais comuns do que se imagina na política. A constatação que me deixam é que: no primeiro, Moises percebeu que se não ceder aos vícios da boca torta pelo uso do cachimbo ele não governa. No segundo que os passos do vice-presidente da república são vigiados com o necessário cuidado para que não saia em campanha pelo país.