InternetData CenterAssinante

Dimas Kammer imita o César Souza Júnior

Prefeito abdicou de brigar pela reeleição, isso desaprova o próprio governo
Dimas Kammer imita o César Souza Júnior
Por João Paulo Messer Em 21/06/2020 às 17:40

Difícil não entender que ao abrir mão de disputar a reeleição um prefeito com direito a tal não esteja reprovando seu próprio governo. O que Dimas Kammer de Forquilhinha faz é o mesmo que fez César Souza Júnior na capital do Estado, na gestão passada. Teve um governo tão ruim que nem ele teve coragem de defende-lo como argumento para brigar pela reeleição. Kammer está sepultando a breve carreira política.

Alguns entendem que a saída – pela porta dos fundos – se dá pelo perfil avesso a conflitos, outros enxergam na decisão um ato do que no ambiente político pode ser interpretado como covardia (dos termos de política).

Quando parece estar abrindo mão em favor do seu padrinho de eleição anterior (Lei Alexandre), Dimas anuncia que sai do partido e que seu futuro é de apoio à candidatura de terceiro nome, o do amigo Geovane de Godoy, cuja candidatura depende de despachos judiciais favoráveis por conta de um processo antigo.

Kammer adversário da ala de José Claudio Gonçalves, o Neguinho (PSD) virou inimigo político do seu padrinho Lei Alexandre para embarcar como mero cabo eleitoral de numa candidatura com riscos jurídicos, movimentos estes que animam principalmente a candidatura de Maciel Da Soler (PDT). Por fim o prefeito ainda deixa o seu aliado PT em condições delicadas. Forquilhinha tem enredo de novela mexicana à política.

Há de se considerar que as crises anteriores enfrentadas por Dimmas foram bem conduzidas por ele. Seu jeito simples, sincero e aparentando ingênuo as vezes não devem lhe custar outras críticas como a da desonestidade, por exemplo. Fez um governo sem machas na gestão, mas com vários problemas quando o assusnto foi de condução pessoal.