InternetData CenterAssinante

As razões da “não” eleição do Tita

Atual presidente da Câmara de Vereadores era considerado eleito
As razões da “não” eleição do Tita
Por João Paulo Messer Em 20/11/2020 às 19:42

Numa eleição os erros se tornam gritantes apenas quando o processo está concluído. O vereador Tita Beloli (PSDB), atual presidente da Câmara de Vereadores de Criciúma, ficou na primeira suplência. Faltaram quatro votos para ficar com uma cadeira na legislatura que inicia em janeiro. Ao avaliar o processo ele tem alguns indicativos que podem justificar sua “não” eleição. A COVID influenciou fortemente, pois muitos dos seus eleitores da considerada idade de risco não foram votar. Confirmaram isso pessoalmente ao vereador nesta semana. E ai entra um segundo item para o insucesso, os eleitores fieis que não foram votar consideravam que Tita “estava eleito”.

Tita suspeita ainda que outro fator que pode lhe ter tirado votos é a opção por uma política focando ações consideradas macro. Ele abraçou bandeiras como a instalação do serviço médico SAER, que não é local. Sua interpretação é que o vereador para obter sucesso precisa de pequenas ações de presença na comunidade, por vezes ações bem individualizadas. Sem que tenha dito isso, conclui-se que ele entende render mais votos transportar uma pessoa doente até o pronto socorro e acompanhá-la do que trabalhar pela instalação de um serviço de socorro médico. Nestas ações maiores não marca a digital do vereador.

Tita Beloli está prefeito interino enquanto Clésio Salvaro e o vice Ricardo Fabris curtem dez dias de férias.