InternetData CenterAssinante

Por estratégia governo de Criciúma faz autoinvestigação

Procolo de CPI da AFASC foi feito nesta segunda-feira
Por estratégia governo de Criciúma faz autoinvestigação
Por João Paulo Messer Em 04/11/2019 às 21:27

Vamos à interpretação da estratégia do governo municipal de Criciúma ao protocolar, ele própria, uma investigação parlamentar sobre um “braço” seu, a AFASC. Nesta segunda-feira o vereador Arleu da Silveira (PSDB) recolheu as assinaturas necessárias e protocolou pedido de CPI na AFASC. Estranho? Não em se tratando do governo Clésio Salvaro. No seu mandato anterior ele já havia feito isso, no que ficou conhecido como a CPI das Lajotas. Decorrente daquela corre até hoje um processo que se arrasta e até respingou sobre alguns do governo, que seguem recorrendo das suas condenações. Há de se registrar que naquela época a oposição era muito diferente da atual. Era o tempo do auge da oposição com Romanna Remor e Douglas Mattos. De longe não se compara aquela oposição à atual. Afora isso, creio que com aquela CPI o governo aprendeu algumas artimanhas a serem usadas agora.

Quem chama recebe

Como foi o vereador Arleu da Silveira (PSDB), quem protocolou a CPI ele é quem representa o partido. Não fosse assim, Júlio Kaminski que segue no PSDB poderia ser um vereador de oposição ao governo ocupando vaga do partido do prefeito. Isso porque se Arleu não fosse o autor do protocolo, Kaminski o faria. Outro vereador de oposição que poderia estar nesta CPI é Ademir Honorato (MDB), mas foi Toninho da Imbralit, quem subscreveu pelo MDB. Como cada partido indica um membro da CPI, restará o grito isolado do vereador Edson Luiz do Nascimento Paiol (PP).

Traz o antecessor para o balaio

Outro fato a ser considerado neste jogo estratégico do governo em registrar a CPI da AFASC é que o pedido remete a investigação ao ano de 2013. Quer dizer, busca todo o governo de Márcio Búrigo. Nos bastidores os tucanos afirmam que em 2016 o repasse da prefeitura à AFASC era de R$ 43 milhões anos e que agora em 2019 o montante reduz para R$ 40 milhões, sendo que daquele ano para o atual o número de crianças atendidas saltou de três mil para cinco mil agora. Assim o atual governo deixa um argumento para tripudiar com o slogan de que faz mais com menos.