InternetData CenterAssinante

Jessé dá corte Tramontina

Deputado do PSL sem rodeios
Jessé dá corte Tramontina
Foto: Arquivo Rádio Difusora/Içara
Por João Paulo Messer Em 19/07/2019 às 22:13

Não durou 24 horas a especulação sobre a possível candidatura do deputado Rodrigo Minotto (PDT) a prefeito em Criciúma com o apoio do governador Carlos Moisés (PSL). O deputado Jessé Lopes nem esperou convite para dar entrevista a respeito e foi direto às redes sociais. Seco no corte, ao seu estilo e estilo Bolsonaro, acabou com a possibilidade em poucas horas. Ele não pode desconsiderar que o governador tem no deputado Minotto um dos aliados de primeira mão. Foi o primeiro deputado a invadir a madrugada tomando um vinho na Casa da Agronômica. Jessé falou pelo PSL que ele representa em Criciúma. Disso tudo o que recolho de relevante é que pela primeira vez Jessé fez uma defesa de que o candidato pode ser o deputado Daniel Freitas. Eu pensava que esta declaração não sairia assim tão cedo e espontâneo.

Não descarta

Nesta sexta-feira o Secretário de Estado da Educação, Natalino Uggioni esteve em Criciúma como padrinho de 180 alunos formandos do ensino médio e técnico da SATC. Foi perguntado sobre a especulação vendida pelo deputado Daneil Freitas de que ele pudesse ser candidato a prefeito. Se ficar com a simples resposta de Uggioni é possível dizer que, também para minha surpresa, ele não descartou.

Só espera

O prefeito Clésio Salvaro é candidato à reeleição e tem ouvido surgirem prováveis adversários. Ocorre que seus adversários andam em rotas muito distantes uns dos outros. Bom para ele. Salvaro deve estar pensando que quantos mais candidatos houver, melhor para ele. O raciocínio dele deve ser o de que o PT não tem como ficar sem candidato. Teoricamente o MDB perde muito se não tiver candidato. E se o partido se aliar ao PP com Jorge Boeira, por exemplo, Salvaro repetirá o mantra da mistura que não combina.

Costuras

Devemos olhar que Clésio Salvaro já tem como seus aliados integrantes de todos os partidos, menos o PT e o PDT que são da linha Lula. Estes a linha Bolsonaro se encarregará de enfrentar. Até do time do partido do governador tem líderes estratégicos no seu governo, como é o caso do pai do deputado estadual Jessé Lopes. Do MDB e do PP ele tem um bom quinhão. Quer dizer, enquanto a oposição e articula, o prefeito uso a força da máquina.

O risco Clésio

Ao meu ver existe apenas um risco ao atual prefeito na eleição. O surgimento de um nome novo e que gere uma onda. Afora isso, quem se habilitar pode tatuar-se com a derrota. É óbvio “demais” que o prefeito Clésio Salvaro deseja como adversário alguém que já esteja na política.

Reforma

O prefeito Arlindo Rocha comentou nos bastidores de reunião em Maracajá, nesta sexta-feira, que gostaria de um debate “frente a frente” com os três deputados federais do sul que votaram à da reforma da previdência. Ele está sugerindo que alguma rádio provoque o debate.  

Dos cemitérios

Prometi na coluna anterior que falaria do curioso edital de licitação para concessão dos cemitérios de Criciúma (Rio Maina, São Luiz, Brasília e Sangão), cujas propostas serão abertas semana que vem. Pásmen, a oferta aos interessados tem possibilidade de abrir 15 mil novas sepulturas no cemitério do Sangão. Ora, nem em todos os outros cemitérios juntos tem tudo isso hoje. Os cemitérios do Rio Maina e do bairro São Luiz estão esgotados. Quem terá interesse. A licitação engloba os quatro cemitérios.

Falta terra

Outro item curioso no edital dos cemitérios é que na matricula do terreno do cemitério do bairro Sangão são 100 mil metros quadrados de área, mas na consulta prévia são 95.600 metros quadrados. Cadê os outros 4.400 mil metros quadrados? Não adianta perguntar para o pessoal do patrimônio da prefeitura que eles não têm a resposta.

A oferta

A oferta de túmulos, segundo o edital, tem 15 mil novos túmulos à disposição no cemitério do Sangão, outros 1 mil no Brasília e 25 no bairro São Luiz. O Rio Maina já lotou.

Você sabia?

No sul do Brasil só Criciúma, Orleans e Foz do Iguaçú tem cemitérios administrados por empresas no modelo do que há em Criciúma. No final da década de 1990, após a entrega de gestão dos cemitérios à Somaten as pessoas contavam o tempo em que a prefeitura pudesse retomar a gestão dos cemitérios.

Na dele

O personagem da semana que vem será o relator da Comissão da Investigação do CriciúmaPrev, vereador Ademir Honorato. Ele terá até o fim de semana prazo para entregar o relatório. Nos últimos dias ele até viajou. Enquanto falava sobre o assunto estava com “freio na língua”. Não quer falar demais como o seu colega e presidente da CI, Júlio Kaminski.