InternetData CenterAssinante

COLUNA DE POLÍTICA: PP aumenta a divisão

Alguns movimentos dos bastidores da politica em Criciúma
COLUNA DE POLÍTICA: PP aumenta a divisão
Por João Paulo Messer Em 19/09/2019 às 22:03

Antes uma fissura, depois um racha e agora uma cratera entre as alas do Partido Progressista em Criciúma. Nesta quinta-feira, ao meio dia, os progressistas da ala Jorge Boeira voltaram a reunir-se com o ex-deputado e possível candidato a prefeito. À mesa estava a exigência feita dois dias antes pelo vereador Miri Dagostin, tido como aliado do prefeito Clésio Salvaro, que exige a presidência do partido. A decisão é que não haverá concessão. O presidente é Paulo Conti, eleito na convenção do mês passado e a nominata deve ser fechada até o início da semana que vem quando será marcada nova convenção.

Miri e Comin fora

Da reunião desta quinta-feira só participou a “ala Boeira”. Nem Miri Dagostin, nem Valmir Comin. Ambos sequer foram convidados à reunião. O encontro era para analisar a exigência de Dagostin e a decisão foi de não ceder às exigências feitas. Como consequência nesta sexta-feira Paulo Conti vai compor a relação de 14 membros da Executiva convidando um a um. Não haverá ninguém da “ala Miri”.

PL e PP na Veneza

Na próxima segunda-feira acontece a reunião que pode antecipar os encaminhamentos para a aliança de oposição ao prefeito Rogério Frigo (PSDB). O PL convidou o advogado Giovani Brogni que teria aceitado com algumas condições o desafio de ser candidato a prefeito. Ele quer alguém do PP do Caravaggio como candidato a vice.

Pé no PL

Em Forquilhinha, o presidente da Câmara de Vereadores Maciel Dassoler está com dois pés fora do MDB e um no PL. Esta informação ainda é tratada com reservas e mantida em sigilo, mas o ex-prefeito Márcio Búrigo já tem no bolso a ficha assinada por Maciel. Ele deve ser candidato a prefeito. O seu futuro partido garante ter pesquisas com ótimos indicativos à candidatura.

Fala de candidato

O advogado Jeferson Monteiro fala como pré-candidato a prefeito. Entrevista na manhã desta quinta-feira na rádio Eldorado mostrou alguém cauteloso nas palavras, mas claro no objetivo. Após sair do MDB segue sem partido o que deve demorar até o final do ano. O PL de Márcio Búrigo é o mais provável. “O PL não é probabilidade, mas possibilidade”, diz ele. No PL, porém, a percepção é que ele – Jeferson – já é do time.

Nome novo

Tem um nome até então sequer citado, mas que está firme na construção do PL e em candidaturas às próximas eleições. Pelo menos em Criciúma e principalmente em Nova Veneza. Trata-se do empresário Sanciro Ghislandi. Ele tem andado dois terços do dia ao lado do articulador político Ricardo Beloli. Ele não é candidato a nada, senão a construtor de aliança política.

Excluído

Na entrevista com o advogado Jeferson Monteiro ele deixou evidente que saiu do MDB porque foi “excluído” das conversas. Isso depois que o grupo de vereadores – agora três – assumiu o protagonismo emedebista em Criciúma. Monteiro, entretanto, foge à qualquer provocação que pudesse arrancar dele uma declaração como a de que os vereadores do MDB estão comprometidos com o prefeito Clésio Salvaro.

O lado MDB de Moisés

Uma semana depois segue repercutindo “por toda Santa Catarina” a agenda do governador Carlos Moisés da Silva, semana passada em Criciúma. Na ocasião o deputado Luiz Fernando fez exagerados elogios ao governador que não vacilou em atender a todos os apelos do parlamentar emedebista. A leitura é que aquele momento apenas consolida o que foi suspeita antes das eleições e confirmação agora: Moisés tem no MDB a melhor base aliada. Na capital, nesta quinta-feira, de novo colunistas voltaram a insistir no fato do MDB ser o partido melhor atendido a pedido de Moisés.