InternetData CenterAssinante

COLUNA DE POLÍTICA: A reitora brilhou mais que o governador

COLUNA DE POLÍTICA: A reitora brilhou mais que o governador
Por João Paulo Messer Em 15/09/2019 às 21:50

Os aplausos à reitora

Na solenidade de entrega de recursos para o Centro de Inovação de Criciúma a estrela maior deveria ser o governador Carlos Moisés. A reitora Luciane Ceretta, entretanto, foi flagrantemente a mais aplaudida. Os elogios que o governador e os secretários do governo lhe dirigiram, mostram que os recursos só foram liberados porque ela convenceu a todos sobre a importância do equipamento público que vai ser instalado em Criciúma. O governador chegou a usar a expressão: “Não tem como não se apaixonar por uma mulher dessas”, referindo-se à contagiante empolgação e determinação com que ela trata os assuntos. Cereta começou a sua gestão num pique que chamou tanto a atenção que alguns suspeitavam que ela poderia se estabelecer um nome forte às eleições. Hoje, depois de vencer dificuldades administrativas de toda ordem, reverter problemas sérios e devolver à instituição o brilho e o orgulho da marca ela passou a ganhar a admiração inclusive de lideranças que antes a temiam numa possível disputa eleitoral. Parece bem claro que o foco da reitora é a manutenção do processo de recuperação e crescimento da Unesc. O evento de sexta-feira à noite serviu para confirmar que a reitora Luciane Ceretta é hoje a autoridade mais respeitada e admirada no Sul do Estado.  

O discurso

A solenidade de entrega de R$ 8 milhões para o Centro de Inovação Tecnológica para Criciúma, sexta-feira à noite no auditório Rui Hülse na Unesc, foi rico em termos de discursos. Prato cheio para quem gosta de ouvir manifestações de conteúdo bem construído. A fala da reitora Luciane Cereta foi a que chamou mais atenção. Como se espera de uma reitora, foi perfeita inclusive na construção do texto. O discurso dela foi uma primazia.

Os discursos

O governador Carlos Moisés impressionou positivamente os que ainda não tinha lhe ouvido sobre os exemplos de um governo austero e enxuto, que vem fazendo. Não trouxe nada de muito novo para quem acompanha o seu dia a dia. O Secretário de Desenvolvimento Sustentável, Lucas Esmeraldino, foi o menos objetivo na sua fala. Já o deputado Luiz Fernando Cardoso rasgou-se em elogios ao governador. O prefeito Clésio Salvaro resgatou o que outros esqueceram, a importância do ausente deputado Júlio Garcia na articulação para a liberação da verba entregue naquela noite.

Visita do governador

Na agenda do governador, além do ano na Unesc, onde ele liberou R$ 8 milhões para o Centro de Inovação e anunciou outros R$ 24 milhões para a revitalização da rodovia Jorge Lacerda, teve ainda uma “passada” no jantar da AMA (Associação dos Autistas). Depois disso o governador foi visitar a cervejaria Saint Beer em Forquilhinha, onde tocou violão e cantou. Dormiu no Hotel Bormon de Nova Veneza, onde na manhã de sábado participou de solenidade de entrega de uma rodovia municipal.

Polêmicas

O governador falou pouco ou quase nada sobre questões como as eleições de 2020 e a polêmica com o deputado Jessé Lopes ou as constantes ilações ao que seria uma preferência pessoal dele por Tubarão em detrimento das conquistas de Criciúma. Perguntado saiu pela tangente em todos os assuntos.

Percepção

Depois de se ver e ouvir a forma como o governador se relaciona com o deputado Luiz Fernando Cardoso Vampiro e o inverso não tem como não imaginar que nas próximas eleições eles estejam juntos. Possível imaginar que ou o Vampiro vai para o PSL ou o governador vai para o MDB.

MDB vice do PSL

É raciocínio tido como lógico entre os líderes dos principais partidos políticos de Criciúma que o MDB de Criciúma indique o vice na chapa com o PSL. O raciocínio decorre da aproximação que o governador tem com o deputado Luiz Fernando Cardoso, Vampiro. Hoje a bolsa de apostas fala em Júlio Kaminski candidato pelo PSL. Para isso ele terá que mudar de partido. Faria isso

Monteiro sai do MDB

Por perceber que o MDB não tem projeto de candidatura majoritária às eleições do ano que vem o advogado Jeferson Monteiro, que vinha sendo cogita ser candidato a prefeito, anunciou neste domingo a sua saída do partido. Deve ir para o PL liderado na região pelo ex-prefeito Márcio Búrigo. Mas isso ele não menciona na nota que direciona aos dirigentes do PMDB. Sugere na nora que o partido deveria seguir a tendência do que o eleitor manifestou em 2018 optando por nomes novos na política, Era neste viés que ele punha o seu nome. A saída de Jeferson Pereira do MDB ficou ainda mais evidente quando um de seus fiéis escudeiro, ex-vice-presidente do partido, Ricardo Beloli saiu indo para o PL.

Rachou a Gôndola

Últimos acontecimentos culminando com a festa de sábado pela manhã em Nova Veneza prometem uma semana quente na política local. O vice-prefeito Zé Spillere (PSD) saiu do evento de sábado logo no início. Ainda não está muito claro qual foi o “curto-circuito” que causou a retirada do vice. Nesta segunda-feira o PSD deve solicitar uma conversa com o prefeito Rogério Frigo. A relação de prefeito e vice pode ter sofrido uma ruptura. Frigo tem hoje pesquisas com mais de 70 por cento aprovação, mas precisa administrar algumas situações delicadas com o aliado PSD. O atual vice-prefeito Zé Spillere, por exemplo, não pode ser candidato a vice, pois já ganhou duas eleições nesta vaga. Para disputar no ano que vem teria que ser candidato a prefeito ou abrir mão para outro correligionário entrar na disputa.

Será chamado

O advogado Giovani Brogni, um dos nomes que deu origem ao movimento partidário do atual PSD deve ser a próxima liderança a ser procurada pelo PL do ex-prefeito Márcio Búrigo, de Criciúma, que está construindo o partido na região. Esta conversa deve acontecer nesta semana. A proposta do PL é ter candidato na majoritária na maioria dos municípios da região, em Nova Veneza inclusive.