InternetData CenterAssinante

Bolsonaristas vão precisar de “partido de aluguel” em 2020

O novo partido não deve ficar pronto a tempo de disputar as eleições municipais
Bolsonaristas vão precisar de “partido de aluguel” em 2020
Por João Paulo Messer Em 25/11/2019 às 21:15

Uma entrevista bastante esclarecedora com Júlio César Lopes, que está saindo do PSL assim como o presidente Jair Bolsonaro e uma multidão, deixa evidente as dificuldades que os bolsonaristas candidatos a vereador terão no ano que vem. O novo partido Aliança pelo Brasil (38) não deve estar habilitado até março, prazo máximo do calendário eleitoral. Assim, a alternativa será buscar outra sigla que deve estar ciente de que servirá até que o novo partido esteja criado. Esta estranha manobra é decorrência da burocracia que impede a criação do Aliança pelo Brasil e do que é, segundo interpreta Lopes, estratégia de Bolsonaro que assim não precisará percorrer o Brasil em campanha na eleição municipal. O que importa é a eleição de 2022.

Pior ainda o cenário em Santa Catarina, onde o governador Carlos Moisés deve seguir no PSL e por lógica não irá apoiar candidato bolsonarista. Esta é a interpretação de Júlio Lopes, pai do deputado Jessé Lopes, que declarou guerra ao governador.

Sinuca de bico

Alguns vereadores em Criciúma, candidatos à reeleição, como Ademir Honorato (hoje MDB) e Júlio Kaminski (hoje PSDB), andam sondando como serem candidatos declaradamente bolsonaristas. Eles necessitam de um novo partido a ser escolhido em março, pois a legislação brasileira não permite a disputa da eleição sem filiação e ambos já se declararam fora de suas atuais siglas.

Presidência da Câmara

Em 2017, quando a atual legislatura assumiu, o prefeito Clésio Salvaro (PSDB) tentou ganhar a presidência da Câmara de Vereadores, mas perdeu para o chamado “Grupos dos Nove”. Seu candidato era Júlio Kaminski (PSDB), atualmente ferrenho opositor. No ano passado o prefeito nem se movimentou e de novo o “G9” ganhou a eleição mantendo um acordo firmado pelo grupo que se declarou “independente” do Executivo. Este acordão prevê que no final do ano o atual presidente Miri Dagostin (PP) renuncie e em nova eleição seja eleito alguém do MDB. Este alguém já está escolhido pelo partido: é o vereador Tita Beloli. As coisas evoluíram tanto que desta vez o prefeito deve oferecer três votos para o grupo que nasceu independente, mas hoje é mais fiel que a própria base do prefeito na Câmara.

Tita conta 12

O vereador Tita Beloli (MDB) conta 12 votos para ser eleito presidente da Câmara ade Vereadores. O tal G9 perdeu um vereador – Daniel Freitas – hoje substituído por Edison Luiz do Nascimento, Paiol. Este ainda não revela o voto mas admite que “sabe fazer conta”. Isso significa que não vai votar contra o Tita se o prefeito der mesmo três votos ao emedebista, como tudo indica vá ocorrer.

Três tucanos

O prefeito já garantiu ao vereador Tita Beloli que seus três fiéis tucanos (Giovana Zanete, Arleu da Silveira e Moacir Da Jori) votam com o G9. Por “osmose” Paiol também vota.