InternetData CenterAssinante

Projetos de impacto social

Como evitar o contágio
Projetos de impacto social
Foto: SITU
Por João Rieth Em 15/06/2020 às 17:11

Realizar os testes para a covid-19, doença gerada pelo novo coronavirus segue como um dos principais desafios para diversos países pelo mundo. Por exigir interação entre profissionais de saúde e possíveis infectados, se torna perigosa a  experiência para ambos os lados. Pensando nisso, o estúdio de arquitetura  SITU, de Nova York, pensou em um projeto para diminuir os riscos no momento em que os profissionais de saúde realizam os testes. O estúdio desenvolveu o projeto de “cabines” de teste para a covid-19 que não exigem nenhum tipo de interação física entre as pessoas. Baseado em modelos usados na Coreia do Sul, o projeto conta com tendas e paredes de acrílico que separam as pessoas dos profissionais de saúde.

 

 

 

As paredes de acrílico têm dois buracos, onde ficam instaladas duas grandes luvas de borracha. A ideia é que o profissional de saúde use esse espaço para realizar a testagem nas pessoas sem a necessidade de uma interação física. A cada teste, no entanto, é necessária a higienização das luvas. Por enquanto, o projeto ainda está em fase de testes junto a instituições de saúde.“O processo ainda precisa de ajustes, como avaliar o quão confortável é trabalhar com essas luvas; criar cabines para pessoas com diferentes alturas, questões de acessibilidade, etc”, diz Brad Samuels, responsável pelo projeto na SITU. “Assim que os testes acabarem, o próprio estúdio desenvolverá as primeiras unidades do projeto.

A ideia é que as cabines sejam instaladas junto aos hospitais com maior densidade de casos do novo coronavírus. O estúdio também espera que outras empresas entrem no projeto, para que novas instalações possam ser desenvolvidas. Por enquanto, Samuel acredita que o estúdio poderá criar quatro cabines a cada dois dias. A expectativa é que o número aumente com novas parcerias.

O arquiteto compara o projeto aos testes realizados dentro de veículos, no modelo de drive-thru. “Mas Nova York não tem tanto espaço e muitas pessoas sequer têm carros por aqui. As cabines são como um ambulatório ‘drive-thru’. A única diferença é que em vez de carros, pessoas poderão andar para realizar os testes.”

 

https://situ.nyc/