InternetData CenterAssinante

Experiências com tecnologias acessíveis

A experiência mexicana
Experiências com tecnologias acessíveis
Foto: Dezeen.com
Por João Rieth Em 23/06/2020 às 11:37

Estudantes do Instituto Tecnológico de Monterrey, no México, projetaram luminárias solares de baixo custo, feitas de barro, plantas de feijão e cacto para pessoas que vivem em áreas rurais isoladas, com eletricidade limitada. Liderado pelo professor Moisés Hernández, o projeto Solar foi desenvolvido por seis estudantes  com materiais encontrados no interior do México, como vime, casca de coco e a planta agave. Usando células solares e tecnologia LED, as luminárias propoem uma solução sustentável para a necessidade de quase sete milhões de mexicanos que vivem em áreas rurais isoladas, com acesso limitado ou inexistente à eletricidade.

Seguindo as sugestões da solução Little Sun, movida a energia solar, do artista islandês Olafur Eliasson, Hernández e seus alunos tiveram como objetivo criar luminárias com o menor emprego de carbono possível, usando biomateriais e métodos de fabricação de baixo custo.Embora alguns dos materiais escolhidos não durem tanto quanto o plástico "Little Sun", de Eliasson, o objetivo do projeto de Hernández era projetar luminárias com corpos que podem ser facilmente produzidos com materiais locais. Dessa forma, as pessoas precisariam apenas dos componentes eletrônicos e do painel solar. A estrutura principal pode ser consertada ou substituída por outra, a partir dos materiais encontrados no ambiente circundante como fez Rafael Sánchez Brizuela, onde o corpo de sua luminária foi executado com casca de coco."O que pretendemos com este projeto é procurar novas formas de produção em áreas rurais ou comunidades isoladas onde eles não têm instalações de injeção plástica para fabricar os principais corpos de lâmpadas", explicou Hernández. "Com essas novas idéias de materiais que vieram de diferentes regiões do México, onde o clima e o contexto são tão diferentes, os alunos visualizaram novos cenários em que esses tipos de objetos tecnológicos podem ser montados e distribuídos para as pessoas locais".

A luminária de Luis Fernando Sánchez Barrios é feita de barro, papel reciclado e lodo de cacto, uma mistura que, segundo o designer, oferece uma substância semelhante à argila cozida. Projetado para as comunidades marginais, dispersas em todo o México, a luminária faz referência ao "conhecimento pré-hispânico" dos materiais, bem como à conscientização ambiental. Tecido animal descartado foi usado para criar a lâmpada de Naoto Ricardo Kobayashi Utsumoto. O desperdício de tecido animal - também conhecido como colágeno, pulverizado e moldado por injeção,  foi usado para criar a luminária translúcida e marrom . Viridiana Palma Dominguez usou resíduos da planta agave para fazer sua luminária, a partir da cutícula e pele da planta maguey pulquero - cujo conteúdo é usado para fazer uma bebida alcoólica chamada pulque.Já Aniela Mayte Guerrero Hernández, procurou materiais mais tradicionais, usando vime artesanal de artesãos de Queretaro, uma região localizada no centro do México. 

Os estudantes mexicanos são apenas alguns dos muitos designers que procuram materiais incomuns para produzir produtos mais interessantes e sustentáveis e que em 2020 se tornaram imprescindíveis para amenizar os impactos provocados pela poluição ambiental e os efeitos da pandemia.

Fonte: Dezeen