InternetData CenterAssinante

Sintonia com a Natureza de Criciúma explora Grão-Pará

Grupo é um dos vários que se reúnem para curtir a natureza da região
Sintonia com a Natureza de Criciúma explora Grão-Pará
Foto: Divulgação
Por Redação Engeplus Em 14/07/2019 às 21:03

Dois carros particulares e nove aventureiros. O destino final era a comunidade de Serra Furada, em Grão-Pará. Percorreram quase cem quilômetros de Criciúma até a Pousada das Pirâmides localizada ao final do caminho. Do centro da cidade de Grão-Pará até a pousada são 21 quilômetros percorridos por uma estrada cheia de curvas, com pequenas subidas e descidas e revestida de terra arenosa. O objetivo deles era andar pelas estradas que um dia serviram para que tratores e caminhões adentrassem a mata para retirar árvores e que foram utilizadas pelos tropeiros. Eles queriam colocar o corpo em movimento, admirar e se conectar com as belezas naturais do local. Foi este o programa do sábado, dia 13, do grupo Sintonia com a Natureza, mas é mais conhecido como grupo do Elio Wessler.

O representante comercial Elio Wessler é um dos pioneiros em fazer trilhas na região sul catarinense. Aos 24 anos iniciou uma caminhada que já dura 32 anos. Sua temporada inicia em abril e termina em outubro, fazendo mais de quinze trilhas por ano quando o tempo colabora. Este é seu programa nos fins de semana e também das pessoas que fazem parte do seu círculo de amizades. A esposa Marli Gomes Wessler, com que é casado há 29 anos, e as filhas Patrícia e Tatiane participaram de muitos acampamentos e trilhas. Quase sempre está acompanhado por Joelson Clóvis da Silva, contador, e Adalto Furlaneto, analista administrativo financeiro. “Cada um de nós tem uma característica. Eu canto, o Adalto costuma recolher lixos e o Joelson espalha sementes. Tenho amigos que já pararam, outros que entraram. Minha esposa parou por um tempo e recomeçou há cinco anos. Desde o ano passado está sempre junto. Não trabalho com turismo, faço isso porque sou apaixonado por esta atividade”, comentou Wessler.

Ramona Furlaneto, de 11 anos, mesmo com o braço engessado caminhou por mais de quatro horas ao lado do pai Adalto. “A gente foi e voltou pelo mesmo caminho. Eu queria ter voltado por outro pra ver mais coisas bonitas. O que mais gostei neste lugar foram as montanhas que parecem pirâmides”, disse a caçula da turma.

Wessler recorda que na época que começou a explorar os caminhos no meio do mato, encontrava muitos caçadores de pássaros e de animais como gato-do-mato por causa da pele e de tatu para alimentação. “A gente tinha medo de bala perdida, eram muitos tiros. Lembro do início com muitos bichos, pássaros cantando, depois eles sumiram por causa da depredação. E, eu dizia que chegaria o dia que eles voltariam e isso está acontecendo. Felizmente o ser humano parou de matar e eles estão se reproduzindo”, comentou Élio.

O grupo Sintonia com a Natureza é um de vários grupos que se reúnem para curtir a natureza da região e aliviar o estresse da vida agitada da semana.

Colaboração: Ana Lúcia Pintro