navegue nos blocos da capa

Ambiente

Jaguaruna

Pesquisadores encontram mais um boto morto na região

11
JUN
2017
| 19h46
19h46
Douglas Saviato
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Divulgação

Os pesquisadores da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) registraram neste fim de semana, a morte de mais um boto da espécie tursiops truncatus, conhecida popularmente por boto da tainha ou boto pescador. O óbito foi constatado em Balneário Esplanada, pertencente ao município de Jaguaruna. De acordo com os biólogos do Projeto Boto Pescador, as lesões encontradas no animal durante a necropsia, indicam graves lesões de pele conhecidas como um tipo de lobomicose.

A lobomicose é uma doença causada pelo fungo lacazia loboi, que além de acometer pequenos cetáceos, ocorre também em humanos. O número de relatos em nível mundial aparentemente tem aumentado e está provavelmente relacionado a poluição das águas por diversos agentes, como rejeitos industriais, agrotóxicos, esgoto doméstico e combustíveis. 

“Ela ocorre em seres humanos, mesmo não havendo o contato direto com os golfinhos. As pesquisas indicam que a poluição leva a imunossupressão diminuindo as defesas naturais do indivíduo, propiciando o desenvolvimento da doença”, explica o biólogo da Udesc, Pedro Castilho.

De 2012 até agora, já foram registradas mortes de 23 botos ao longo do litoral centro sul de Santa Catarina e Complexo Lagunar, que abrangem três lagoas (Santo Antônio dos Anjos, Imaruí e Mirim), além do Rio Tubarão. Do total de óbitos, 13 eram botos que nasceram e se desenvolveram na região. De acordo com os biólogos, muitos morreram de causas naturais, presos em redes de pescas e por doenças relacionadas com as condições deficitárias do meio ambiente.

Monitoramento de lagoas

O projeto Boto Pescador, vinculado a Udesc, busca parcerias para reverter os números negativos. A intenção dos pesquisadores é fazer um estudo detalhado de todo o complexo lagunar, por meio da alta tecnologia. Neste domingo, os estudiosos percorreram boa parte da Lagoa Santo Antônio dos Anjos, justamente para registrar a situação do local.

Com o apoio de uma equipe de Florianópolis, especializada em pesquisas marinhas, os biólogos fizeram gravações com o auxílio de uma embarcação robotizada e um drone. “A nossa intenção é monitorar a área ocupada pelos botos no complexo lagunar. Isso corresponde a 50% de todo o espaço entre as lagoas de Laguna, Imaruí e Imbituba. Com o auxílio da tecnologia, nós conseguimos aferir a batimetria, a qualidade das águas e prever situações de ameaças para a espécie”, relatou Castilho.

Uma plataforma para o desenvolvimento de um drone aquático já está em fase de projetos, mas demanda recursos e parcerias. Com o equipamento finalizado e em atividade, será possível realizar o monitoramento e ainda traçar metas para o cuidado efetivo com o ecossistema. “Tudo é reversível, mas é preciso que façamos o trabalho em seguida. Quanto maior a demora, mais difícil será a reversão dos problemas encontrados no meio ambiente”, informou Roberto Böell, também pesquisador do Projeto Boto Pescador.

Colaboração: Rodrigo Speck / Comunicação Boto Pescador - Udesc

Leia mais sobre: ambiente, botos, pesquisadores
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Coral Show exalta clima natalino no Nações ShoppingPresidente da Câmara de Florianópolis visita o Portal EngeplusAssociação Unidos Contra o Câncer celebra o NatalCER Musical encanta campus da Unesc com canções natalinasCriciúma unida pela magia do NatalPolicia Civil faz incineração de drogas apreendidas