Ambiente

Siderópolis

O futuro do rio Mãe Luzia em debate

21
NOV
2017
| 16h38
16h38
Denis Luciano
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Arquivo Engeplus

Bastante poluído desde os anos 40, o rio Mãe Luzia tem salvação. Essa é uma das conclusões que, de antemão, os organizadores do 2º Seminário de Relatos de Experiências de Recuperação Ambiental levam para o evento programado para esta quarta-feira em Siderópolis.

“Já existem projetos do Iparque neste sentido, mas precisamos de recursos para tirá-los do papel. Estamos buscando financiamentos federais”, explica a professora Miriam Martins, uma das integrantes do Fórum pela Despoluição do rio Mãe Luzia. Um convênio foi assinado neste ano entre a prefeitura de Nova Veneza e a Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado para elaborar um diagnóstico. “Por ele, vamos saber onde estão as fontes poluidoras”, detalha. 

“E temos tudo para, valorizando mananciais como o rio Mãe Luzia, incrementar até o turismo na região”, lembra o professor Carlos Renato Carola, autor do livro “Era uma vez o rio Mãe Luzia”, que ele publicou em 2014 em parceria com o historiador Nilso Dassi. “Nova Veneza, por exemplo, que sofre com o rio poluído, nunca extraiu uma pedra de carvão, quando sabemos que a atividade mineradora foi uma das principais poluidoras historicamente do rio”, menciona Dassi, Ele realça, porém, que a mineração não é a única causadora da degradação do Mãe Luzia. “As lavouras, os dejetos de esgoto doméstico e industrial também colaboraram muito para isso”, enfatizou.

O evento desta quarta foi levantar depoimentos práticos, de quem viveu e vive da poluição do rio, e apontar experiências futuras em busca de soluções. “Temos uma barragem como a do rio São Bento que nasceu com 30 anos de vida útil, 15 anos já se passaram e não temos outro manancial. De onde vamos tirar água no futuro?”, indaga o ex-vereador Alberto Ranacoski, de Nova Veneza, uma das lideranças empenhadas no Fórum e nas discussões sobre o tema.

O Seminário é organizado pelo Fórum, pelas câmaras de vereadores dos municípios de Nova Veneza, Siderópolis, Forquilhinha, Treviso, Maracajá, Araranguá e Criciúma – cidades abrangidas pelos 44 quilômetros do Mãe Luzia – mais o Comitê da Bacia Hidrográfica do rio Araranguá. O evento desta quarta ocorre das 13h30min às 17h no Centro Social Urbano de Siderópolis.

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Doar esmola prejudica quem a recebe'É a primeira vez que assumo uma fria dessa', brinca Celito CardosoVÍDEO: Baixa Terapia comemora sucesso de vendas e anuncia sessão extraEmoção marca evento da Casa GuidoEstudantes do IFSC Criciúma se preparam para competição no CanadáEleições para a Câmara Mirim iniciam a todo vapor